AmazonasNovidades

Prefeitura de Manaus desativa método de sepultamentos em trincheiras

Com a redução do número diários de sepultamentos, a prefeitura começa a retirada de equipamentos pesados que auxiliavam na abertura de covas no cemitério Nossa Senhora Aparecida, bairro Tarumã, zona oeste. O sistema de trincheira para fazer sepultamentos, que chega ao fim, foi adotado pela Secretaria Municipal de Limpeza Pública (Semulsp) quando o aumento da demanda saiu de uma média de 30 enterros diários, chegando a mais de 100 por dia, muitos deles relacionados a vítimas fatais da Covid-19.

“O método de sepultamentos em trincheira foi fundamental, pois sobrecarregou o trabalho dos coveiros durante a pandemia, tínhamos que tomar medidas efetivas. Porém, a redução da média de sepultamentos diários nos permitiu a dispensar esses equipamentos pesados e voltar ao método tradicional. Mas pedimos que as pessoas mantenham todas as recomendações de prevenção para que não tenhamos uma nova onda de casos”, ressaltou o secretário da Semulsp, Paulo Farias.

Nos dois meses de agravamento da pandemia de Covid-19 no Amazonas, abril e maio, os cemitérios públicos e privados de Manaus registraram 5.168 sepultamentos e cremações. Foram 2.809 no mês de abril e mais 2.359 em maio. O sistema funerário público gerido pela Prefeitura de Manaus foi responsável por 4.334 desses enterros, o equivalente a 83,8%.

Em janeiro, fevereiro e março, a média diária de sepultamentos nos cemitérios públicos de Manaus foi de 29, 27 e 28, respectivamente. Em abril, com a explosão de mortes por Covid-19, essa média subiu para 81. No mês de maio, a média diminuiu para 61 enterros.

Além da modalidade de sepultamentos em trincheira no cemitério Nossa Senhora Aparecida, único com espaço público para novas covas na capital, a prefeitura disponibilizou a opção de cremação, em parceria com uma empresa privada.

Informe

A prefeitura informa, ainda, que um total de 39 sepultamentos foram registrados nos cemitérios da capital do Amazonas, na terça-feira (16). Desse total, 35 foram nos espaços gerenciados pela Semulsp, com uma opção pelo crematório e dois óbitos oriundos de outros municípios do Estado. Nos particulares, foram quatro enterros.

Ainda do total de sepultamentos e cremações no sistema público, oito foram de óbitos em domicílio e seis famílias utilizaram o serviço SOS Funeral, gerenciado pela Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc).

Entre as causas de morte, oito pessoas tiveram no atestado a confirmação para Covid-19, outras quatro foram registradas como causa desconhecida ou indeterminada e quatro morreram por insuficiência respiratória e ainda uma por parada cardiorrespiratória.

Fonte: D24am

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios